Objetivos Escusos Por Trás da Legalização do Aborto

Minha luta contra o aborto não é coisa tão recente. Acordei relativamente tarde, mas os objetivos escusos por trás da legalização do aborto são tão gritantes, que chega a ser difícil entender como muitos católicos ainda não acordaram para o que REALMENTE está por trás da legalização do aborto no Brasil e no Mundo.

A seguir, reescrevo dois artigos que fiz em 2013 para um blog que eu possuía na época. A ampla maioria do texto eu mantive, mas foram necessárias algumas mudanças e cortes, até para não tornar a publicação muito longa (e olhe que ficou longa…).

Vejo muita gente defendendo a legalização do aborto. As desculpas são diversas e a religião é atacada constantemente. Se você estiver carregando consigo algum símbolo religioso, já está inapto para debater sobre o assunto (pelo menos é isso que os apoiadores da legalização do aborto dão a entender).

Não venho aqui falar do que já é conhecido por muitos. As desculpas e os debates sobre estas não faltam na internet. Venho aqui trazer o argumento de como começou essa busca pela legalização do aborto e quais os REAIS MOTIVOS dessa “necessidade” de legalização do aborto no mundo.

Lá no iniciozinho do século XX, o aborto tinha como um dos objetivos reduzir a quantidade de negros nos países e no mundo. Irônico é as pessoas que defendem a legalização do aborto acusar os que são contra de FASCISTAS/Nazista, sendo que o aborto foi amplamente usado exatamente em países com tais regimes, além dos comunistas, que foram os primeiros a legalizarem o aborto.

consequências trágicas são trazidas pela legalização do aborto

A legalização do aborto pode trazer diversas consequências trágicas para a população universal. Entre elas:

– Tornar o Ser Humano mais frio e poder dá sexo livre às pessoas
– Permitir que só nasçam “homens perfeitos”, ou seja, seletividade.
– Controle populacional
– Exterminação étnica
– Ataque à consciência (não somente a religiosa, embora esteja embutida)

Para a substituição de uma cultura, é preciso quebrar as raízes e os valores morais da outra. No Ocidente, temos uma cultura bastante forte “pró vida” devido a moral Cristã. O maior bem que o ser humano pode ter é a vida e, justamente por conta disso, lutam de forma bastante forte para tentar maquiar o fato que um indivíduo é um ser humano desde sua concepção.

Ora, se você legaliza o aborto ele passa a ser um direito e, assim, as pessoas que não aprovam tal prática (principalmente médicos) seriam OBRIGADOS a violar a sua consciência. Estudos psicológicos, como os demonstrados no livro “Maquiavel Pedagogo”, isso fará com que ele “mude” seus valores e sua moral vá se perdendo, chegando ao ponto daquilo se tornar natural e ele se tornar um ser humano mais frio, sem amor à vida (amor a vida é algo indispensável para um médico, diga-se de passagem).

Primeiro País a Legalizar o Aborto e Porque Legalizou

Um dos primeiros países a legalizar o aborto, foi a União Soviética sob o comando de Lenin, em 1920. Segundo as leis daquele país, os abortos seriam gratuitos e sem restrições para qualquer mulher que estivesse em seu primeiro trimestre de gravidez. Os hospitais soviéticos tinham os chamados “abortórios“, unidades especiais criadas para realizar abortos em ritmo de produção em massa. Segundo relatos de médicos estrangeiros que visitaram a União Soviética em 1930 para estudar a implantação do aborto, um labortório com 4 médicos era capaz de realizar 57 abortos em 2 horas e meia. Desde 1913 Lênin já defendia a legalização do aborto.

O aborto foi uma estratégia importantíssima para o Comunismo por diversos motivos, dentre eles dar a liberdade sexual para o povo. E porque a liberdade sexual é tão importante? Pelo fato dessa liberdade destruir os valores religiosos, dificultar a formação da família e quebrar a moral do povo.

A União Soviética queria (e implantou) um ESTADO ATEU, logo qualquer religião era fortemente punida. A religião é um dos alicerces morais de um povo e, sem ela, simplesmente o ser humano não tem limites. O próprio ser humano é Deus e ele pode tudo. O líder (nesse caso Lenin e Stalin) são reverenciados como Deus.

Nenhum casamento se sustenta com tanta libertinagem e o sexo. Como lida com uma parte bastante prazerosa para o ser humano, tende a se tornar “viciante”, até mesmo pela descarga de hormônios durante e após a relação sexual, podendo chegar ao ponto de o ser humano não ter o limite e pensar o tempo inteiro em ter somente prazer (e de preferência com parceiros diferentes). Nenhuma família se mantém assim. Daí vem o “pulo do gato”…

é preciso destruir a família para a destruição da sociedade. e isso se faz também com o aborto

A família significa HERANÇA e propriedade privada, o principal alvo do comunismo. Família também significa passagem de valores morais, o comunismo defende que os valores devem ser elaborados e determinados pelo estado. Destruindo a família, o Estado terá total poder sobre o cidadão e poderá moldá-lo da forma que bem entender (entendeu o porquê de impor que crianças de 4 anos já frequentem a escola e porquê não suportam a ideia do homeshooling?).

Quanto a tornar o ser humano “frio”, isso também é uma necessidade para a implantação do comunismo. O ser humano deve perder seus valores, dentre eles o valor da vida, para fazer tudo em favor “da causa”. Várias e várias mortes ocorrem nessa implantação (o número de mortos pelo comunismo já passa a casa dos 100 milhões).

Hitler era Forte Defensor da Causa Abortista

O segundo país a legalizar o aborto foi a Alemanha Nazista em 1935, mediante uma reforma da “Lei Para Prevenção de Doenças Hereditárias Para a Posteridade“, que permitia a interrupção da gravidez de mulheres consideradas de “má-heredietariedade” (ou seja, “não-arianas” ou portadoras de deficiência física ou mental). Posteriormente esse programa pró-aborto nazista foi ampliado e acabou se transformando em um programa de “eutanásia de crianças” em larga escala, chegando a um ponto onde até mesmo crianças arianas sem defeitos físicos eram mortas apenas por razões sociais. A morte era assistida por médicos pediatras e psiquiatras. Com o tempo, a idade das crianças mortas ia ampliando e no final até mesmo crianças arianas eram mortas por razões banais como orelhas deformadas ou até mesmo por urinarem na cama ou ainda por serem consideradas difíceis de educar.

Em meados de Julho de 1942, Karl Brandt, médico pessoal de Hitler, e Martin Bormann, secretário pessoal de Hitler, viajaram pela Ucrânia com a finalidade de estudarem a sua demografia. Hitler assumiu as conclusões desse estudo:

“A fertilidade dos eslavos não é desejável. Podem usar contraceptivos ou praticar o aborto – quanto mais, melhor. Tendo em vista a grandeza das famílias só nos pode servir que as moças e as mulheres façam o maior número de abortos possíveis.” [1]

[1] A. Hitler, citado in 1. William Shirer, The Rise and Fall of the Third Reich, London, Pan Books, 1964, p. 1,118.
Documento fonte: Nuremberg # 1130-PS, ‘Nazi Conspiracy and Agression,’ Volume VIII, p. 53. 2. Hillel and Henry, Of Pure Blood, p. 148, citando ‘Tigesprache im Fuhrerhauptquartier’.

A política de controle populacional incluía um parágrafo que parafraseava Hitler: “Quando as moças e as mulheres dos territórios ocupados do Leste provocam o aborto, só podemos estar a seu favor; para todos os efeitos não nos devemos opor a isso ” [2]

[2] Leon Poliakov, Harvest of Hate, Syracuse, New York, 1954, pp. 272-274. Também Kamenetsky, pp. 197-199.

Ampliando a Legalização do Aborto para o Mundo

bilionário usa dinheiro para promover a indústria da morte no mundo através do aborto e outras ações

O bilionário norte americano John Rockefeller desejou o controle populacional por entender que muita gente no mundo seria difícil de controlar e que isso poderia ser uma ameaça para o seu poder econômico. Daí ele começou a fazer campanhas mundiais para esse controle. Isso me lembra muito quando o faraó do Egito endureceu a escravidão dos hebreus e impôs diversos absurdos, entre eles mandar matar todas as crianças do sexo masculino que nascessem.

A estratégia global para a implantação foi descoberta (e demostrada) no conhecido “Relatório Kissinger” onde podemos encontrar:

“A condição e a utilização das mulheres nas sociedades dos países subdesenvolvidos são particularmente importantes na redução do tamanho da família… As pesquisas mostram que a redução da fertilidade está relacionada com o trabalho fora do lar” (NSSM 200, Pag.151)

“Ter como prioridade educar e ensinar sistematicamente a próxima geração a desejar famílias menos numerosas” (idem pag.111)

“A grande necessidade é convencer a população que é para seu benefício individual e nacional ter em média, só 3 ou então dois filhos” (idem pag.158)

“…devemos mostrar nossa ênfase no direito de cada pessoa e casal determinar livremente e de maneira responsável o número e o espaçamento de seus filhos e no direito a terem informações, educação e os meios para realizar isso, e mostrar que nós estamos sempre interessados em melhorar o bem-estar de todos (idem pag.22, §34)

“Há também o perigo de que alguns líderes dos países menos desenvolvidos vejam as pressões dos países desenvolvidos na questão do planejamento familiar como forma de imperialismo econômico e racial; isso bem poderia gerar um sério protesto” (idem pag.106)

“Prestar serviços de planejamento familiar integrados aos serviços de saúde de maneira mais ampla ajudaria aos EUA a combater a acusação ideológica de que os EUA estão mais interessados em limitar o número de pessoas dos países menos desenvolvidos do que em seu futuro bem-estar” (idem pag.177)

“A assistência para o controle populacional deve ser empregada principalmente nos países em desenvolvimento de maior e rápido crescimento nos que os EUA têm mais interesses políticos e estratégicos especiais. Esses países são Índia, Bangladesh, Paquistão, Nigéria, México, Indonésia, Brasil, Filipinas, Tailândia, Egito, Turquia, Etiópia e Colômbia (idem, pag.14/15, §30)”

um dos responsáveis pela implantação do aborto nos eua se tornou pró vida

Dr. Bernard Nathanson , foi um dos fundadores da NADAL, 1969; Hoje é a Liga Nacional do Direito ao Aborto nos EUA.

Ele foi por 2 anos o diretor da maior clínica de aborto do mundo e compôs o núcleo que conseguiu a legalização do aborto nos Estado Unidos.

Nathanson se transformou num dos maiores defensores da vida, quando, após a chegada do Ultra-Som, fez a verificação da vida intra-uterina.

Ele abre o jogo e revela como fazem os abortistas para conquistarem a opinião pública e a aprovação das leis a favor do aborto:

“1º A tática de ganhar a simpatia dos meios de comunicação.
2º A tática de atacar o Catolicismo.
3º A tática de denegrir e suprimir toda evidência de que a vida se inicia na concepção.”

Chega a ser assustador o sucesso com que essas estratégias foram implantadas e os objetivos alcançados. Em outras postagens falarei mais a respeito, para não deixar o post muito longo.

A Base do Movimento Abortista é Racista

Existe uma pessoa que teve um papel importantíssimo para a legalização do aborto no mundo. O nome dela é Margaret Sanger, fundadora e primeira presidente da International Planning Parenthood Federation (IPPF) declarou suas ideias no livro “Pivot of Civilization” e em sua revista “Birth Control Review”:

– “Controle de natalidade – mais filhos dos saudáveis, menos dos incapazes”;
– “Controle de natalidade – para criar uma raça de puro-sangue”;
– “Os filantropos que dão recursos para atendimentos nas maternidades encorajem os sãos e os grupos mais normais do mundo a igualar o fardo da irracional e indiscriminada fecundidade de outros, que trazem com ele, sem nenhuma dúvida, um peso morto de desperdício humano. Em vez de reduzir e tentar eliminar as espécies que mais comprometem o futuro da raça e do mundo eles tendem a tornar essas raças dominantes numa proporção ameaçadora”.

Aborto, controle de natalidade, esterilização, estímulo a uma sociedade homossexual, enfim, diversas ações que vão de contra a formação de família e perpetuação da vida, além da possibilidade de extinguir quem não lhe é conveniente.

Para conseguir tudo isso usam técnicas de infiltração e implantação de conceitos. Esses grupos, que são ultrapoderosos, dominam a mídia mundial, as universidades, estão infiltrados na sociedade através das ONGs e controlam a política. Com tudo isso em mãos, não é difícil implantar culturas, visto que TODOS, exatamente TODOS os “geradores de cultura” estão nas mãos deles.

Legalização do Aborto no Brasil

a maioria da população é contra o aborto, mas os promotores do aborto dominam diversas esferas da cultura

Talvez vocês não tenham notado, mas já reparou como DIVERSAS UNIVERSIDADES PARTICULARES agora estão sob o controle de entidades internacionais? Repararam como os centros de pesquisas das universidades públicas e privadas são TODOS financiados por entidades internacionais?

Nos anos 90 a Fundação MacArthur despejou no Brasil U$36 milhões de dólares para financiar e criar estratégias para a legalização completa do aborto no país.

Criou algumas ONG’s e outras foram escolhidas para serem patrocinadas visando estes interesses internacionais. Algumas delas muito bem conhecidas por nós…

Entre elas estão:
CASA DA CULTURA DA MULHER NEGRA
CATÓLICAS PELO DIREITO DE DECIDIR
IPAS
CFEMEA
REDE FEMINISTA DE DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS
CEPIA
CUNHÃ
EDUCAÇÃO SEXUAL LIBERAL
ECOS
GTPOS
SOS CORPO – GÊNERO E CIDADANIA
THEMIS

Algumas delas atuam pra derrubar a questão moral do aborto, outras para implantar leis que facilitem o aborto “legal”, algumas especialistas em Lobby junto ao Congresso Nacional, outras para defender o aborto na área jurídica, outras ainda para tentar conquistar a adesão popular pela mídia, muitas delas especialistas em manipular dados e pesquisas, enfim, entram em pontos estratégicos da sociedade brasileira.

para promover o aborto no brasil, instituições financiam entidades abortistas que assumem várias funções

Por fim…

ONGs, movimentos sociais, dentre outros tecidos da sociedade, QUE NÃO SÃO MAIORIA, estão a serviço de organizações internacionais e à ONU, que também está a serviço dessas mesmas organizações. Esses grupos, apesar de serem minoria, fazem muito barulho pois possuem dinheiro para se manifestar e se organizar, possuem aparato de toda a mídia mundial, possuem aparato universitário e manipulam pesquisas científicas e sociais. Tudo isso porque essas organizações internacionais detém o poder de tudo isso.

Em relação às pesquisas, quem tem um pouquinho de conhecimento sobre as metodologias de pesquisas, sabe que é possível determinar um resultado desejado e manipular a pesquisa para que dê o resultado determinado anteriormente. E sim… Esses grupos também detém o poder de diversos institutos de pesquisas.

Esses grupos são muito poderosos e têm intelectuais atuando em seu favor. Enquanto isso, pessoas que são contra o aborto estão estagnadas, achando que tudo não passa de uma teoria da conspiração. O fato é que se isso continuar assim, nosso destino já está traçado e determinado por esses que se julgam “Deuses do Mundo” e, como deuses, têm o poder de decidir e interferir diretamente na vida de quem bem entender.

Alguns anos depois, não está mais tão fácil encontrar essas informações, pois estão escondendo cada vez mais as informações e silenciando aqueles que se oponham ao aborto (também falarei mais disso em outras oportunidades). Mas, creio que tudo isso seja suficiente para, pelo menos, fazer alguns notarem os Objetivos Escusos Por Trás da Legalização do Aborto e passem a se opor a eles.

Obs: Alguns trechos deste artigo são citações de outros que, infelizmente, acabei perdendo as fontes originais para citar. Por favor, se alguém souber, favor apontar para que eu possa dar o devido crédito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *