Apresentar a Verdade e Acolher os Arrependidos

Imagine-se numa praia e você enxerga um tsunami vindo em sua direção. Se você ficar no mesmo lugar, será engolido. Se você foge, provavelmente não terá tempo de se abrigar e será pego. Se você resolve enfrentar de frente, o encontro se antecipa e você perecerá mais rapidamente.

Se olharmos para essa situação mundana apenas com o olhar mundano, fatalmente vamos desesperar. Seremos insensatos em qualquer uma das decisões que podemos tomar. É insensato e preguiçoso ficar parado esperando o tsunami  chegar. É insensato, covarde e egoísta sair correndo para se salvar e abandonar tudo, deixando os demais perecerem enquanto você tenta a sorte de se salvar. É insensato e soberbo querer enfrentar a situação partindo para cima e tentar conter o problema que é muito maior do que a sua capacidade de resolução.

O que fazer nesta situação? Para os sem fé, eu convido à conversão. Para nós, católicos, a nossa confiança deve estar em Deus para que possamos encobrir a nossa insensatez, não abandonar os demais e nos salvar.

Nossa vida não se encerra aqui. Sempre temos que ter em vista essa Verdade. Se a nossa vida não encerra aqui, devemos nos preocupar em salvar as pessoas para a ETERNIDADE. O maior número possível, quantos conseguirmos!

Jonas anuncia a um povo entregue ao pecado e enraizado nas perdições mundanas

Me recordo agora do profeta Jonas que não conseguia acreditar na salvação do povo de Nínive. Não via essa possibilidade. Era um povo entregue ao pecado e enraizado nas perdições mundanas que destruíam eles mesmos. Mas Deus sempre quer salvar o seu povo… Paradoxalmente, o Senhor anuncia uma catástrofe que devastaria a cidade. Por causa disso, chama Jonas a entrar na cidade e anunciar a destruição, dando uma “última oportunidade” para se converterem, para mudarem de vida e assim se salvarem. Jonas precisaria apenas confiar o no Senhor e fazer o que Ele mandou.

Jonas não acreditava na conversão… Se ele ficasse na cidade, pereceria junto com todos. Se ele se pusesse a enfrentar a ameaça, pereceria do mesmo modo. Ele optou por não ficar na cidade, fugir… porém, o Senhor o fez “perecer” e ser jogado no mar, sendo acusado de provocar a ira dos deuses dos pagãos.

Enfim, Jonas acabou indo anunciar as palavras de Deus, levando o povo à conversão e a cidade de Nínive foi preservada. O povo se converteu, conversão é transformação e a transformação do povo gerou a salvação, não só da alma, mas também física do povo.

Na situação do Tsunami nós católicos devemos clamar a Deus a nossa salvação, principalmente da alma, mas a física também. Sabendo que o tempo é curto, deveríamos dar mais ênfase no anúncio.

Mas, por que estou trazendo essas duas situações, uma hipotética e outra bíblica, numa proposta Pró Vida contra o aborto?

As ideologias da cultura da morte tomaram conta de tudo e parece destruir como um tsunami

Imaginem que o Tsunami são as ideologias da Cultura da Morte. Está tudo tão tomado que tendemos a nos entregarmos, pararmos de anunciar e nos salvar, nos blindarmos. Inclusive, tentemos a não querer perto tais pessoas que possam atrair tudo isso que é perverso.

Quero com todas essas figuras, irmão ou irmã, dizer que estamos vendo sim um inimigo muito mais forte que nós, que vem em nossa direção para nos destruir, que nos faz pensar que não tem mais jeito e tendemos a querer somente reservarmos a nós e nossos próximos.

A ideologia abortista está em todos os meios de comunicação, nas universidades, nos livros, desgraçadamente nas escolas… Nos vemos impotentes de enfrentar esse gigante que tonou conta de tudo. Nossa tendência é nos fecharmos a nós mesmos, nos nossos grupos e, muitas vezes rejeitamos até pessoas que possam se converter.

Toda essa reflexão em figuras é para dizer que não sejamos como Jonas no primeiro momento, mas sim como ele no segundo momento quando saiu cumprindo a ordem do Senhor, mesmo sem acreditar ser possível a conversão de um povo tão pervertido e mal.

Clamemos ao Senhor que nos salve de tudo isso. Mas, antes, façamos o que Ele nos pede. Levemos a todos os ensinamentos de Nosso Senhor. E os que se converterem, acolhamos com alegria, sem olhar para o que fez, mas sim para o que pode fazer de hoje em diante.

Já reparou que, GERALMENTE, os anunciadores mais fervorosos e convincentes são aqueles que erraram muito no passado e, assim, poderem testemunhar a sua história de conversão, falando com autoridade e conhecimento de causa?

precisamos anunciar a verdade a todos

Então, irmão ou irmã, precisamos sim levar a Verdade para todos. Precisamos dizer os males do aborto em TODAS as situações, que é assassinato de crianças inocentes, que quem comete o aborto está em pecado mortal e correndo risco de ir para o inferno, etc… Digamos abertamente que o divórcio é uma desgraça e que uma segunda união é adultério. Digamos que é pecado (e abominável para a Igreja) o uso de contraceptivos, que é abominação os pecados sexuaisMas, se a pessoa foi tocada por Deus e se arrependeu, vamos acolher. Não olhemos para seus erros passados, mas o testemunho que ela pode dar daqui para frente, que é poderosos e agradável a Deus. Tão poderoso que, quem sabe, seu testemunho não será como a ordem do rei que levou todos a realizar atos de penitência e, assim, fez com que Deus livrasse a todos da destruição.

Hoje temos a sensação de que as Ideologias de Morte são imbatíveis, mas para Deus, nada é impossível. Só precisamos fazer a nossa parte: Apresentar a Verdade e Acolher os Arrependidos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *