Dia 36 – Nos Fortifiquemos com os Sacramentos e Cuidemos dos Sacerdotes

“São Miguel Arcanjo, nós vos veneramos como protetor contra os poderes malignos; a vós tem confiado Deus as almas das pessoas que têm de formar-se em santidade. Pedi ao Deus da paz para que ponha o inimigo sob vossos pés, tão derrotado que já não possa voltar a tentar as pessoas, nem a fazer dano à Igreja. Amém!”

(Fonte: Quaresma de São Miguel Arcanjo 2020 – Ed. Paulus)

Se você busca a santidade, sabe como o mundo é hostil ao “estilo de vida” santo. A sensação que temos é que não existe um único lugar que possamos abaixar a guarda e ficar tranquilo.

Fazendo um exame de consciência bem honesto, notamos como é difícil “orar sem cessar”, permanecer o tempo inteiro vigilante e como, muitas vezes, cansados da luta, damos a desculpa que “precisamos relaxar” e nos entregamos ao pecado, ou cedemos à tentação.

A busca da santidade é constante. Para ser discípulo de Cristo é preciso, no mínimo, buscar viver conforme o Mestre nos ensinou. Sim! Buscar viver de forma sincera e determinada e pedirmos constantemente a graça da perseverança.

Nosso senhor sabe das nossas fraquezas e das nossas limitações e por isso nos deu os Sacramentos que são os meios de santificação, de transformação, meios de nos fortificarmos e perseverarmos.

Quando decidimos ser discípulos de Jesus, que é um dos primeiros impulsos da conversão – levar a maravilhosa experiência com Cristo para os demais e partilhá-la para que outros tenham também esta experiência maravilhosa –, já sabemos o que enfrentaremos pela frente. E ainda assim, com alegria decidimos livremente aceitar os desafios. Isso deixa o inimigo agitadíssimo, furiosíssimo, contra nós, pois sabe o poder transformador da Palavra de deus e como nosso testemunho tem um poder maior se é feito com autoridade, ou seja, se vivemos o que pregamos. Mas, o inimigo também sabe do poder destruidor do “contratestemunho”, da vida hipócrita, como é prejudicial para as almas, principalmente os recém iniciados.  

Justamente por isso que o demônio vem em cima daqueles que mais buscam a santidade e com força cada vez maior quanto mais decidido e correto está o discípulo. Nos que “já são seus”, ou seja, naqueles que já vivem o mundão, satanás nem precisa tocar mais. Mas, nos de Jesus, nos determinados, principalmente naqueles que estão mais decididos a viver uma vida santa e levar seu testemunho aos demais, satanás irá despejar toda sua ira para fazê-los cair.

Entendeu agora, irmãos e irmãs, o porque de os sacerdotes serem tão atacados a ponto de muitos sucumbirem e darem lamentáveis contratestemunhos? Já reparou como sacerdotes com as almas mais enfermas são, não raro, os que ganham grande destaque no mundão? E a coisa ainda piora quando além dos ataques de satanás, eles recebem também ataques desproporcionais e completamente sem amor daqueles que deveriam blindá-los com oração e amor.

O contratestemunho de um sacerdote leva inúmeras almas para satanás. Assim como o testemunho de um santo também leva inúmeras para o Céu. Essa é a luta do bem contra o mal, essa é a verdadeira luta, a luta espiritual que está diretamente ligada à Eternidade. Essa luta é que dá o tom sobre a sua Felicidade Verdadeira ou lamento eterno.

Todos seremos atacados pelo inimigo. Tanto discípulos quando os sacerdotes, que também são discípulos, mas ordenados e ligados pela sucessão apostólica e têm grandes poderes contra os inimigos das almas.

A ambos Jesus alertou que a vida será difícil com os mundanos e a luta que sozinhos, serão desleais, ou seja, como ovelhas ou cordeiros enviados para o meio dos lobos: “Vede, eu voe envio como ovelhas em meio a lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas” disse aos sacerdotes, aos doze apóstolos. “Ide! Eu vos envio como cordeiros para o meio dos lobos”, disse aos discípulos, aos 72, que enviou de dois em dois. Jesus ainda disse mais!

Aos sacerdotes:

“Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel! Por onde andardes, proclamai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expulsai demônios. De graça recebestes, de graça dai! Não leveis ouro, nem prata, nem dinheiro à cintura; nem sacola para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado, pois o trabalhador tem direito a seu alimento. Em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, procurai saber quem ali é digno e permanecei com ele até a vossa partida. Ao entrardes na casa, saudai-a: se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; se ela não for digna, volte para vós a vossa paz. E onde não vos receberem, nem escutarem vossas palavras, saí daquela casa ou daquela cidade e sacudi a poeira dos vossos pés.” (Mt 10, 6-14)

Aos Discípulos:

“Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias, e a ninguém saudeis pelo caminho! Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘Paz a esta casa!’ E se ali morar alguém que seja da paz, a vossa paz repousará sobre ele; senão, retornará para vós. Permanecei naquela mesma casa; comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador tem direito a seu salário. Não passeis de casa em casa. Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’. Quando, porém, entrardes numa cidade e não vos receberem, saí pelas ruas e dizei: Até a poeira de vossa cidade que se grudou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!” (Lc 10, 4-11)

As recomendações são bem parecidas. Mas, se reparar bem, as privações materiais (e entrega a Deus) é maior da parte dos sacerdotes, assim como o poder. Aos sacerdotes é dado além do poder de cura dos enfermos (curar a alma, ou seja, ser instrumento de conversão), é dado o poder de ressuscitar mortos, purificar leprosos (perdoar pecados) e expulsar demônios.

Podemos ver também como os alertas para os sacerdotes (os doze) são bem mais duros e difíceis do que aos discípulos (os 72). Embora tenham muito em comum, o sofrimento e os ataques aos sacerdotes são muito mais severos. Mas, também, a proteção, por conta disso, é maior.

“Cuidado, pois vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas; sereis conduzidos à presença de governadores e de reis, por minha causa, para dar testemunho diante deles e diante dos gentios. Quando vos entregarem, não vos preocupeis com o que falareis ou como falareis. Naquela hora vos será dado o que falar, pois não sois vós que falareis, mas o Espírito do vosso Pai falará em vós. O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se rebelarão contra seus pais e os matarão. Sereis odiados por todos, por causa do meu nome, mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.” (Mt 10, 17-22)

Então irmãos, nos fortifiquemos, estejamos preparados! Mas, cuidemos daqueles que foram designados para cuidar de nós e que sofrerão muitos e muitos ataques. Não esqueçamos que é por meio deles, dos sacerdotes, que recebemos os santíssimos sacramentos, sobretudo os de cura e libertação frequentes: Confissão e Eucaristia.

A melhor forma de cuidarmos dos sacerdotes é rezarmos por eles, fazermos atos de reparação e oferecermos penitências na intenção deles. E, claro, rezarmos todos os dias, na intenção deles, o Santo Terço, como Nossa Senhora suplica a nós.

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate e intercede para que Nos Fortifiquemos com os Sacramentos e Cuidemos dos Sacerdotes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *