Dia 25 – Rezemos Mais Uns Pelos Outros e Sejamos Ramos Saudáveis

“São Miguel Arcanjo, nós vos rogamos, ó grande ministro de Deus, em união com todos os santos e santas, que defendais a cristandade, em todas as ocasiões, e em particular o Santo Padre, aumentando sua felicidade, assim como as graças que lhe são concedidas nesta vida e a glória da outra. Amém!”

(Fonte: Quaresma de São Miguel Arcanjo 2020 – Ed. Paulus)

Jesus em muitos momentos no Evangelho fala da oração e podemos notar o quanto ela é importante. Se Ele em determinado momento fala para rezarmos por nossos inimigos, parece-me óbvio a obrigação que temos de rezarmos uns pelos outros e cuidarmos uns dos outros.

Esse ato de rezarmos uns pelos outros é o que chamamos de Oração de Intercessão e este tipo de oração é salutar para entendermos o porque que nós, católicos, recorremos aos Santos pedindo uma graça.

Quando somos batizados, nós somos enxertados no Corpo de Cristo e passamos a fazer parte de uma mesma família na ordem da Graça, ou seja, passamos a ser Família na Fé, passamos a ter “algo” que nos liga fortemente uns aos outros, uma ligação que é ainda mais forte e íntima que a ligação pode descendência de sangue.

O que une todos nós, ou seja, o tronco de onde sai todas as ramificações, a árvore que mantém a vida de todos os galhos e produz frutos que alimenta os outros e espalha semente que poderá gerar mais frutos, é Jesus e a nossa Fé é o que nos mantém ligados a Ele.

“Eu sou a videira verdadeira e meu Pai o agricultor. Todo ramo que está em mim e não dá fruto, ele corta; e todo ramo que dá fruto, ele limpa, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos tenho falado. Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira e vós sois os ramos. Aquele que permanece em mim, como eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim, nada podeis fazer. Se alguém não permanece em mim, é lançado fora, como um ramo, e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados. Se permanecerdes em mim, e minha palavra permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será feito. Nisso meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”. (Jo 12, 1-8)

Jesus é a videira. Aquele por quem é produzido todo nutriente para os demais ramos. Jesus é a origem, o princípio, a fonte que dá a vida. Quando se desprende da fonte, o ramo seca e morre. Se o ramo se alimenta adequadamente, sempre ligado a fonte se se alimenta do que a fonte oferece, ele crescerá, dará frutos e esses frutos poderão gerar outros frutos.

Um só é o Cristo, um só é o Corpo de Cristo. O ramo não pode sobreviver e dar os frutos do Cristo se ele for arrancado, mesmo que enxertado em outro “tronco”. Se enxertado em outro troco, desligado do Cristo, caso consiga sobreviver e gerar frutos, esse fruto não será do Cristo.

Como Jesus é apenas um e só existe um corpo, o único corpo que está ligado a Jesus na história, sem rompimentos, através da passagem da graça, infusão do Espírito Santo, é a Igreja Católica firmada na sucessão apostólica, tendo Pedro e seus sucessores a missão de confirmar a fé dos irmãos.

Se o ramo não der frutos, este será cortado, diz Jesus. Se o ramo der frutos, este será podado para que dê ainda mais frutos. Isso podemos ver na Santa Igreja Católica, com seus frutos e como na história sempre vem sendo podada e gerando cada vez mais frutos. Claro, sempre unida ao Corpo de Cristo, a Jesus, a Árvore, a Videira.

Mas, os ramos podem ficar doentes, podem por algum motivo para de dar frutos. Antes de arrancá-los, cabe-se averiguar o motivo, a doença, e cuidar para que ele volte a frutificar.

Os ramos doentes podemos dizer que são as pessoas em estado de pecado. E qual o remédio? O remédio é a graça, que se obtém através da oração. Chegamos ao ponto em que vemos como a oração é importante para manter os ramos sadios e, claro, quando mais sadio mais frutos pode gerar. Saúde podemos dizer que é a Santidade, quando mais saúde, mais Santo, quanto mais Santo, mais fruto gera.

Quando rezamos uns pelos outros, estamos pedindo a Graça, o remédio, para todos e assim mantermos os ramos plenamente saudáveis. Ora, somos pecadores, muitas e muitas vezes pecamos e ficamos doentes, precisamos e remédio, da Graça, para nos curarmos. E, infelizmente, tem aqueles ramos que estão muito doentes (em pecado grave ou conformado no pecado) e sequer consegue dar conta de rezar por si, precisa da ajuda de outros para sair da doença, precisa ser levado ao médico.

Saindo agora um pouco da linguagem figurada, precisamos constantemente rezar, pedindo a graça para nos mantermos saudáveis. Precisamos rezar uns pelos outros, pois existem aqueles que estão doentes, além de nós mesmos, e não sabemos qual o grau da doença deles. Por isso também que pedimos a ajuda dos santos, os mais saudáveis, os que produzem mais frutos, para obtermos a Graça.

“De fato, assim como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo. De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num só Espírito, para formarmos um só corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito. Na verdade, o corpo não é feito de um membro apenas, mas de muitos. Mas, pelo contrário, há muitos membros e, no entanto, um só corpo. O olho não pode dizer à mão: ‘Não preciso de ti’, nem a cabeça dizer aos pés: ‘Não preciso de vós’. Bem mais ainda, até os membro do corpo parecem ser mais fracos, são indispensáveis. Também os membros que consideramos menos honrosos, são os que cercamos com mais honra; e os que temos menos decentes, são os que tratamos com mais decência. Os que consideramos decentes, não precisam de cuidado especial. Mas Deus, quando formou o corpo, deu mais honra ao que nele é tido como sem valor, para que não haja divisão no corpo, mas, pelo contrário, os membros sejam igualmente solícitos uns pelos outros. Se um membro sofre, todos os membro sofrem com ele; se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Vós todos sois o corpo de Cristo e, individualmente, sois membro desse corpo”. (1Cor 12, 12-14. 20-27)

Essa linguagem mística de São Paulo retrata exatamente como nós, como Igreja, como membros do Corpo de Cristo, como ramos da Videira, somos realmente, o que verdadeiramente somos, e devemos nos esforçarmos para ser e como devemos agir uns com os outros.

Rezemos uns pelos outros, rezemos para que todos sejamos cada vez mais saudáveis (santos), rezemos para que existe cada vez mais santos com capacidade de produzir muito mais frutos e, assim, diz Jesus, o Pai seja glorificado e produza ainda mais frutos.

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate contra o inimigo para que Rezemos Mais Uns Pelos Outros e Sejamos Ramos Saudáveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.