Dia 24 – Resistir às Provações do Mundo em Cristo

“Nós vos rogamos, ó São Miguel Arcanjo, que nos livreis das mãos dos inimigos, conhecidos e desconhecidos, dos falsos testemunhos, das discórdias. Libertai nossa pátria e, particularmente, nossa cidade da fome, das epidemias, da guerra, dos tumultos. Vinde sempre em nosso auxílio. Amém!”

(Fonte: Quaresma de São Miguel Arcanjo 2020 – Ed. Paulus)

Por causa dos nossos pecados, o mundo vive em desordem. Isso desde o início da história humana, com períodos mais intensos e outros mais brandos, mas a desordem sempre se fez presente. Só que, também, em toda a história, o Senhor sempre nos chamou (e nos chama) de volta para o equilíbrio e harmonia, para a ordem. Sempre agiu no mundo a nosso favor, sempre preservando a nossa liberdade de escolha, pois só é possível amar quando se tem liberdade e só se tem liberdade com a Verdade, que nem sempre é muito agradável.

Além da sua intervenção suprema, excelsa, completa quando revelou toda a Verdade no envio e na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, antes Deus interveio com milagres, enviou mensageiros celestes (Anjos) e muitos profetas. Um desses profetas foi Jonas, que Deus enviou a Nínive que estava extrapolando todos os limites do aceitável em suas iniquidades e estava em tal situação que o próprio Jonas fez resistência de cumprir as ordens de Deus por não acreditar que seria possível a conversão de toda uma cidade antes da destruição.

Mas, para Deus nada é impossível!

“A palavra do Senhor veio a Jonas, filho de Amitai: ‘Levanta-te, vai a Nínive, a grande cidade, e prega contra ela, porque sua maldade subiu até mim’. Levantou-se Jonas, porém para fugir para Társis, longe da face do Senhor. Desceu a Jope e encontrou um navio que estava indo para Társis. Pagou a passagem e embarcou para ir com eles a Társis, longe da face do Senhor. Mas o Senhor lançou um forte vento sobre o mar, de modo que o navio estava a ponto de naufragar. Os marinheiros tiveram medo e clamaram cada qual ao próprio deus. Lançaram ao mar a carga que havia no navio, para aliviá-lo. Jonas, no entanto, tinha descido para a parte inferior da nave, onde ele se deitou e adormeceu.” (Jn 1, 1-5)

Não adianta tentar fugir dos desígnios de Deus. Como pôde ver, Jonas insensatamente tentou fugir de Deus para não cumprir suas ordens. Mas, Deus queria salvar Nínive e interveio para despertar Jonas, de uma forma proporcional à sua resistência e que o fizesse ver o que estava fazendo. As pessoas que estavam no navio que o profeta subiu para fugir das ordens de Deus puseram a culpa nele da desgraça que estava por ocorrer a eles, no navio, isso depois de clamarem a deuses falsos e jogar a sorte. Sim! Deus pode tudo, inclusive fazer uso dessas coisas para despertar os seus para a falsidade do caminho que tenta seguir e da sua insensatez.

Depois de fazer Jonas despertar por completo (ele ainda foi engolido por um animal), o Senhor se dirigiu novamente ao profeta, que dessa vez cumpriu a vontade de Deus.

“E palavra do Senhor veio a Jonas uma segunda vez: ‘Levanta-te. Vai a Nínive, a grande cidade, e proclama-lhe a mensagem que te digo’. Levantou-se Jonas e foi a Nínive, de acordo com a palavra do Senhor. Nínive era, de fato, uma grande cidade diante de Deus, de três dias eram necessários para atravessá-la. Jonas começou a entrar na cidade. Ele clamava e dizia: ‘Ainda quarenta dias e Nínive será destruída’. Os ninivitas creram em Deus. Proclamaram um jejum e se vestiram de panos de saco, do maior ao menor deles.

Chegou essa mensagem ao rei de Nínive. Ele se levantou de seu trono, tirou seu manto, cobriu-se de panos de saco e sentou-se sobre a cinza. Fez proclamar e anunciou em Nínive, por decreto do rei e de seus grandes: ‘Homem e animal, gado graúdo e miúde, não provem nada, não pastem e não bebam água. Cubram-se de panos de saco, homem e animal, invoquem a Deus com força. Afaste-se cada um de seu caminho de maldade e da violência de suas mãos. Quem sabe se ele não se voltará, e Deus se arrependera e se afastara do ardor de sua ira, de modo que não pereçamos’?”. Deus viu suas obras e como se tinham afastado de seu caminho de maldade. E se arrependeu do mal que prometera fazer contra eles, e não o fez.” (Jn 3)

A cidade arrependeu-se e fez reparação do mal que vinha realizando. O temor de Deus chegou inclusive ao rei da cidade. Diante do propósito de conversão e do arrependimento de toda a cidade, Deus não precisou enviar o castigo e Nínive foi preservada, apesar da resistência do profeta. Para Deus, nada é impossível.

Deus cuida dos seus e para nos preservar, para nos salvar, enviou o Seu Filho e aqueles que Nele crerem e O seguirem não precisam ter medo do que acontece no mundo (sempre aconteceu e sempre acontecerá até o fim dos dias).

“Quando ouvirdes falar de batalhas e notícias de guerras, não fiqueis alarmados: é preciso que essas coisas aconteçam, mas ainda não é o fim. De fato, há de se levantar nação contra nação e reino contra reino, haverá terremotos em vários lugares, e muita fome. Isso é o começo das dores. Cuidado quanto a vós mesmos! Sereis entregues aos tribunais e castigados nas sinagogas: por minha causa comparecereis diante de governadores e reis, para dar testemunho diante deles. Primeiro, porém, deve ser proclamado o Evangelho a todas as nações. Quando vos levarem para vos entregar, não vos preocupeis com o que falar. Falai o que vos for dado naquela hora, pois não sois vós que falareis, mas o Espírito Santo. Irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se rebelarão contra os pais e os matarão. Por causa do meu nome sereis odiados por todos, mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.” (Mc 13, 7-13)

Jesus, Nosso Senhor e Salvador, o Sumo Sacerdote, o Sumo Pontífice, Aquele que intervém por nós ao Pai Criador, roga por nós, que O procuramos e O seguimos, sem cessar. E isso já faz desde sua presença no tempo, antes de Sua Paixão. Vale a pena ler toda a Sua belíssima Oração Sacerdotal no capítulo 17 do Evangelho de São João. Abaixo, um recorte da Oração Sacerdotal de Jesus:

“Eu rogo por eles. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. Tudo que é meu, é teu; e tudo o que é teu, é meu; e eu sou glorificado neles. Eu já não estou no mundo, eles porém estão no mundo, e eu vou para junto de ti. Pai Santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, como nós somos um. Quando estava com eles, eu os guardava em teu nome, que me deste. Eu os guardei, e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, e assim se cumpriu a Escritura. Agora, porém, eu vou para junto de ti e, estando ainda no mundo,, digo estas coisas para que eles tenham em si mesmo, em plenitude, a minha alegria. Eu lhes tenho dado a tua palavra, mas o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como eu também não sou do mundo. Não rogo que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo. Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, eu também os enviei ao mundo. Eu me santifico por eles, a fim de que também eles sejam santificados na verdade. Eu não rogo somente por eles, mas também por aqueles que hão de crer em mim, pela palavra deles. Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti. Que também eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.” (Jo 17, 9-21)

Sim! Jesus pensou em cada um de nós naquele momento (v.20) para que não pereçamos, para que a gente não se perca. E, para não nos perdermos Jesus enviou os discípulos e rogou para que todos nós, que Nele cremos, sejamos um Nele, inseridos no seu corpo, ou seja, na Sua Santa Igreja Católica, Una, Santa, Apostólica. Una porque só um é o Senhor e seu corpo, Santa porque o corpo é do próprio Senhor, o Cordeiro Puríssimo e sem mancha e Apostólica porque nasceu dos apóstolos que foram enviados pelo próprio Deus na pessoa de Jesus Cristo.

As provações virão. E vamos, sim, cairmos inúmeras vezes, mas temos a possibilidade de nos levantarmos arrependidos, pedirmos perdão (Confissão e Penitência) e permanecer com Cristo nas e apesar das provações.

“Vós sois os que têm permanecido comigo em minhas provações. E eu disponho para vós do Reino, como o meu Pai dispôs dele para mim. Havereis de comer e beber à minha mesa, no meu Reino, e vós sentareis em tronos para julgar as doze tribos de Israel. Simão, Simão! Satanás pediu permissão para vos peneirar como o trigo. Eu, porém, orei por ti para que tua fé não desfaleça. E tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos.” (Lc 22, 28-31)

Para permanecer com Cristo é preciso estar com Pedro, aquele quem a fé não desfalece. Aquele que faz parte do Corpo de Cristo e que Jesus mandou confirmar os irmãos, quem Jesus deu a chave do Céu e o poder de lugar e desligar do Céu, tamanho a confiança que o Senhor depositou nele. E, sim, Satanás pediu permissão para peneirar o trigo, os cristãos, separá-los. Mas, quem permanece na fé que não desfalece não se perde.

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate para que possamos Resistir às Provações do Mundo em Cristo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.