Dia 15 – Reconhecer o Verdadeiro e Confiar no Poder da Verdade

“São Miguel Arcanjo, ensinai-nos a confiar plenamente em nosso Deus, eterno e Todo-poderoso. Sabemos que somos frágeis; sabemos que o inimigo está sempre por perto, esperando nossa queda. Ajudai-nos, chefe dos exércitos celestes, a nunca desanimar, apesar de nossos pecados. Amém!”

(Fonte: Quaresma de São Miguel Arcanjo 2020 – Ed. Paulus)

No mundo em que estamos inseridos, um mundo com tantas falsidades, enganos, corrupções, exploradores, aproveitadores… um mundo que parece estar cada vez mais carente de valores, tem sido muito difícil confiar em alguma coisa.

Olhamos para os lados e tudo ao nosso redor parece mergulhado em mentiras e as pessoas têm preferido viver doces mentiras convenientes do que encarar de frente duras verdade desconcertantes.

Em paralelo, somos bombardeados o tempo inteiro com mensagens que nos deixam cada dia mais egoístas e nos achando autossuficientes, sem a necessidade de outras pessoas – pelo contrário, na maioria das vezes achamos que elas nos atrapalham – nos fazendo sentir o “todo-poderoso” em relação a nossa vida e que somos capazes de assumir o controle de tudo.

Ora! Quando caímos na real e nos damos conta das nossas limitações, de como somos frágeis e dependentes, entramos em “parafuso” e começamos a descer em queda livre, aparecendo os problemas existenciais e outros problemas psicológicos.

Precisamos confiar mais. Mas, não “apenas confiar mais” e sim confiarmos da forma correta e no que é correto, no que é verdadeiro. Sobretudo neste mundo de mentiras e falsidades e nestes tempos de desordem, imoralidades e engodos.

Precisamos confiar “em Cristo”! Quando digo “em Cristo”, estou respondendo tanto em quem devemos confiar e como devemos confiar.

Devemos confiar em Cristo como pessoa, como o nosso Salvador, como Aquele que tudo pode, só fala a Verdade e só faz o que é Verdadeiro. Mas, também devemos confiar em Cristo no sentido de como devemos confiar. Devemos confiar no que está em Cristo, em conformidade com Cristo, que estão inseridas no Corpo de Cristo, na Verdade, confiar em quem segue seus ensinamentos ou no que está em conformidade com seus valores.

Estar em Cristo, estar com Cristo, fazer as coisas por Cristo. Esse deve ser o nosso parâmetro para o que devemos confiar e tomar como verdadeiro.

O Evangelho de São Marcos narra o fato de uma mulher que era atormentada por um sangramento contínuo fazia 12 anos…

“Estava ali uma mulher que, por doze anos sofria de hemorragia. Havia padecido muito nas mãos de vários médicos; tinha gastado tudo que possuía e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. Tendo ouvido falar de Jesus, entrou na multidão e, por detrás , tocou no seu manto; pois pensava: ‘Se eu conseguir tocar em suas vestes ficarei curada’. Imediatamente a hemorragia estancou, e a mulher sentiu no corpo que estava curada de seu mal. Percebendo uma força que saíra dele, Jesus logo se voltou, no meio da multidão, e perguntou: ‘Quem tocou minhas vestes?’ Seus discípulos disseram: ‘Tu vês essa multidão que te comprime , e perguntas ‘Quem me tocou’? Ele olhava ao redor para ver quem o havia tocado. A mulher, tremendo de medo ao saber o que lhe havia acontecido, veio, caiu-lhe aos pés e contou-lhe toda a verdade. Jesus, então, disse-lhe: ‘Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e fica curada de teu mal’.” (Mc 5, 25-34)

A mulher havia 12 anos que depositava sua confiança em coisas erradas, em pessoas erradas. E o Evangelho narra ainda que, quanto mais buscava (em coisas erradas), mais ela sangrava, mais ela via sua vida se perdendo.

A ela foi apresentada a Verdade e ela confiou tanto que nem precisava a Verdade vê-la, mas ela sabia da necessidade de ter contato com a Verdade. Confiou no poder da Verdade de libertar de todo mal (que para ela, naquele momento, era apenas físico).

Só que a mulher, que teve contato com a Verdade, de alguma forma estava escondenda-A, fez o contato com a Verdade de forma escondida, este tipo de contato não a deixava viver plenamente na Verdade. De alguma forma, estava mascarando a Verdade. Apesar dela ter reconhecido a Verdade e tido contato com Ela, estava guardando para si, em segredo, e quem sabe, talvez, sequer a revelaria para outros a verdade sobre o ocorrido, sobre como ficou curada do mal físico, correndo o risco de, apesar do contato com a Verdade, seguir numa vida fora Dela, na mentira ou, no mínimo, no escondimento. Isso poderia (e provavelmente estava) deixar nela o mal espiritual.

Por isso Jesus, que dá a cura total (física e espiritual), se volta e a faz confessar publicamente. A fez reconhecer publicamente a Verdade. E isso a libertaria completamente não só do sangramento (mal físico, da carne) mas principalmente a libertaria do mal espiritual, do espírito maligno da mentira. E, “de quebra”, como “bônus”, ainda a fazia testemunha do poder da Verdade e o que Ela poderia realizar. Poder esse que sai de Jesus, que sai da própria Verdade Encarnada.

Que possamos confiar no que realmente tem poder para mudar qualquer situação. Que possamos confiar no que é Verdadeiro. Que possamos reconhecer a Verdade, reconhecer quem vive Nela e quem a transmite. Que possamos reconhecer o poder libertador da Verdade e buscá-La!

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate e ajudai-nos a reconhecer o Verdadeiro e Confiar no Poder da Verdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.