É QUARESMA: Arrependei-vos e Crede no Evangelho. Levante-se e vá às Pressas às Montanhas.

Na Quarta-Feira de Cinzas, quando recebemos as cinzas, ouvimos do sacerdote “Arrependei-vos e Crede no Evangelho” (Mc 1,15) ou “Tu és pó e ao pó tornarás” – ou “e pó te hás de tornar” – (Gn 3,19). E assim damos início à Quaresma, tempo de conversão, tempo de oração, penitência e caridade.

A Quaresma é um período de quarenta dias de reflexão. O número 40 é bastante significativo nas Sagradas Escrituras.

“Lembra-te, porém, de todo caminho que Iahweh teu Deus te fez percorrer durante quarenta anos no deserto, a fim de humilhar-te, tentar-te e conhecer o que tinhas no coração; irias observar seus mandamentos ou não? Ele te humilhou, fez com que sentisse fome e te alimentou com o maná que tu nem teus pais conheciam, para te mostrar que o homem não vive apenas de pão, mas que o homem vive de tudo aquilo que procede da boca de Iahweh. As vestes que usavas não se envelheceram, nem teu pé inchou durante esses quarenta anos.

Portanto, reconhece no teu coração que Iahweh teu Deus te educava, como um homem educa seu filho, e observa os mandamentos de Iahweh teu Deus, para que andes em seus caminhos e o temas.” (Dt 8,2-6)

A história do povo de Deus é marcada por muitas traições por parte do povo que rompia a sua parte da aliança com Deus, mas Deus amorosamente educava, preparava, seu povo para a plenitude dos tempos, para a vinda da nossa Redenção-Salvação. Se pararmos para fazer um exame de consciência bem sincero, iremos notar o quanto nos assemelhamos ao povo de Deus enquanto perambulava no deserto, cometendo diversos pecados. Por isso a Igreja recomenda fortemente que façamos uma Confissão completa neste período da Quaresma. Isso nos ajudará a conhecermos o nosso coração.

Apesar de todas as traições, Deus nunca abandonou o seu povo, nunca o deixou perecer, sempre o socorreu, embora deixasse-o passar por dificuldades e humilhações para pudessem notar o quanto somos dependentes de Deus e que nada podemos sem Ele. Notarmos que somos pó e ao pó voltaremos a ser, e somente Deus, por sua imensa graça, por seu imenso amor, por sua infinita misericórdia pode nos dar a vida divina Nele, com Ele e para Ele.

Ser como deuses é um desejo que está em nosso coração. A base do pecado original é exatamente esta vontade de Deus que deturpamos e direcionamos para o caminho errado, tal como Eva fez ao comer o fruto proibido: “vós sereis como deuses” (Gn 3,4), disse satanás. E ainda plantou no coração do homem a desconfiança em Deus: “Não, não morrereis! Mas Deus sabe que, no dia em que dele comer, vossos olhos se abrirão” (Gn 3,5).

Isso tudo nos mostra como “quebramos a cara” quando desconfiamos da Palavra de Deus e buscamos “abrir os olhos” sozinhos, sem Deus como o nosso baluarte. Te parece familiar isso nos dias de hoje, quando o homem busca o conhecimento a todo custo e despreza os conhecimentos milenares, a verdadeira Sabedoria?

A Quaresma é também um período de quarenta dias de tentação. Tentação para cairmos e idolatrarmos tudo que é terreno. Reparem como muitas tentações vão exatamente contra o “jejum”, a “oração” e a “caridade”. Mas, como o no tempo que o povo de Deus permaneceu perambulando no deserto, não estamos sozinhos. Deus está conosco! Deus está no meio de nós! Temos o “Emanuel” que se entregou para que não pereçamos, para reunir todo o povo de Deus num só corpo e satisfazer o nosso desejo de sermos como deuses.

Então, como vencermos diante de tudo isso, passado desde os nossos primeiros pais, passando pela perambulação do povo de Deus no deserto e por toda história do antigo testamento?

O livro de Jonas nos dá pistas. Deus quer salvar a todos e envia muitos sinais. No caso do profeta Jonas:

“’Levanta-te, vai a Nínive, a grande cidade, e anuncia a mensagem que eu te disser’. Jonas levantou-se e foi a Nínive, conforme a palavra de Iahweh. Nínive era uma cidade muito grande, de três dias de marcha. Jonas entrou na cidade e percorreu durante um dia. Pregou então, dizendo: ‘Ainda quarenta dias e Nínive será destruída’. Os homens de Nínive creram em Deus, convocaram um jejum e vestiram-se de panos de saco, desde o maior até o menor. A notícia chegou ao rei de Nínive. Ele levantou-se do seu trono, tirou seu manto, cingiu-se com um pano de saco e assentou-se sobre a cinza. Em seguida, fez proclamar em Nínive como decreto do rei e de seus grandes […] E Deus viu as suas obras: que eles se converteram de seu caminho perverso, e Deus arrependeu-se do mal que ameaçara fazer-lhes e não fez” (Jn 3,2-7.10).

Arrepender-nos, fazermos penitência, rezarmos e fazermos obras de caridade. Nínive fez isso durante quarenta dias e aplacou a santa ira divina. Arrependeram-se de suas más condutas, proclamaram a Palavra de Deus para o próximo (forma de caridade), vestiram-se com panos de saco e sentaram sobre as cinzas (penitência) e certamente o temor os fez rezarem pedindo perdão a Deus por todo o mal praticado. E isso tudo num período de quarenta dias, uma Quaresma.

Nínive ainda não tinha Jesus quando fez essas coisas. Nós temos! Que Graça Extraordinária! Jesus passou por tudo isso, também em quarenta dias, tomou para si a maior parte do peso das penas e nos ensinou como procedermos diante das tentações.

“Então Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Por quarenta dias e quarenta noites esteve jejuando. Depois teve fome. Então, aproximando-se o tentador, disse-lhes: ‘Se és filho de Deus, manda que essas pedras se transformem em pães’. Mas Jesus respondeu: ‘Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’.
Então o diabo levou à Cidade Santa e o colocou sobre o pináculo do Templo e disse-lhes: ‘Se és Filho de Deus, atira-te para baixo, porque está escrito: ‘Ele dará ordem a seus anjos a teu respeito, e eles te tomarão pelas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra’.
Respondeu-lhe Jesus: ‘Também está escrito: Não tentarás ao Senhor teu Deus’.
Tornou o diabo a leva-lo, agora para um monte muito alto. E mostrou-lhe todos os reinos do mundo com o seu esplendor e disse-lhe: ‘Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares’. Aí Jesus lhe disse: ‘Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás e a ele só prestarás culto’.
Com isso, o diabo o deixou. E os anjos de Deus se aproximaram e puseram-se a servi-lo”. (Mt 4,1-11).

Antes de continuar, faça uma comparação deste trecho do Evangelho de São Mateus com a passagem de Deuteronômio lá em cima (Dt 8,2-6). Isso pode nos levar a concluir sobre como TODO o antigo testamento é uma pedagogia divina, é um manual de como somos e como Deus é paciente conosco e providencialmente nos conduz para Ele. Jesus tomou para si toda história de pecado humano e nos redimiu (não canso de falar isso).

Nossa batalha durante a Quaresma é sobretudo espiritual. Para vencermos, precisamos também fazer uso de armas espirituais. A Palavra de Deus foi a arma que Jesus usou para combater o diabo, que também usou a Palavra de Deus, só que de forma deturpada, como fez com Eva no Paraíso, levando-a a pecar. Fazendo uso das armas espirituais, anjos do Senhor vêm em nosso auxílio, como veio em auxílio (serviço) como vieram a serviço de Jesus.

É preciso também levar a Palavra de Deus para os irmãos que ainda não acordaram. Isto é o Senhor que pede! Jesus quando ascendeu ao Céu dizendo:

“Todo poder foi me dado no céu e sobre a terra. Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei. E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos!” (Mt 28,16-20).

Todo poder está na mão do Senhor. Observemos tudo que Deus nos ordenou (que a Igreja nos pede). Jejuemos, oremos e façamos atos de caridade. Levar a Palavra de Deus e Sua realização, o seu testemunho, a sua observância à Lei de Deus, é um dos grandes atos de caridade.

Digamos “Sim”, como Maria! E, também como Nossa Senhora, que com Deus em seu ventre, “se levantou e foi às pressas às montanhas” (Lc 1,39) para levar Jesus, vamos às pressas às montanhas, percorrendo desertos e lutando as batalhas que aparecerem pelo caminho. Mas, com Jesus! Não repitamos os mesmos erros que o Povo de Deus cometeu (e continua cometendo).

É Quaresma! Arrependei-vos e Crede no Evangelho! Levante-se e vá às Pressas às Montanhas!

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *