Desista da Racionalização no Namoro

Chegamos ao quinto capítulo do livro “Como Encontrar Sua Alma Gêmea Sem Perder Sua Alma” do casal católico Jason e Crystalina Evert. Neste quinto capítulo são listadas as 10 racionalizações mais comuns no relacionamento doentio ou que pode dar problemas no futuro. Confira!

Desista da Racionalização

Crystalina: Se nós, mulheres, nos entregamos de maneira íntima, não queremos perder o rapaz. Começamos a argumentar para nós mesmas que certos comportamentos sexuais são aceitáveis porque nosso amor é mais importante que as leis da moral. Isso constitui uma tentação a muitos casais: colocar a si mesmos acima da lei de Deus, como se nossas emoções elevassem nosso comportamento acima do repreensível. Os sentimentos passam a ser nossa autoridade final, transformando nossa opinião em um ídolo, tornando-nos os responsáveis por definir o que é certo e errado. Cada casal deve determinar seu conjunto de leis morais?

A pureza consiste em, em vez de indagar quão longe ir em relação ao pecado, nos perguntar quão longe ir em direção ao amor. Isso não significa estar livre de tentações. Significa que quando surgirem, voltaremos nossos corações a Deus e perguntaremos: “O que é puro a Seus olhos?”. Ao invés de ver a pureza como coisa negativa – meramente ausência de pecado sexual – precisamos assumir uma postura positiva, vendo-a como a liberdade para expressar o amor a Deus por meio de nossos corpos.

Enquanto eu (Crystalina) estava em meus maus relacionamentos, justificativas se formavam em minha mente bloqueando a luz da minha consciência: comecei a racionalizar. Mas só deixando as justificativas de lado podemos nos perguntar o que realmente resta do nosso amor. Eis as dez racionalizações mais comuns:

DEZ RACIONALIZAÇÕES MAIS COMUNS NO NAMORO

1. “Ele é realmente meigo”

Quando nos damos conta de que estamos num mau relacionamento, reunimos as qualidades positivas de um lado, a fim de desviar nossa atenção dos aspectos negativos. A desculpa mais comum é que o namorado é atencioso e meigo. Mas ser meigo é fácil. A questão é: por que ele é meigo? Às vezes um homem é meigo para compensar as ocasiões em que foi mau. Com seu charme, esquecemos temporariamente as feridas que provocou. Noutros casos, a meiguice é um truque para a proximidade sexual. Uma jovem nos escreveu dizendo:

“Perdi minha virgindade a um rapaz que me pareceu ser a pessoa mais linda que encontrei. Mas nunca namoramos oficialmente, e, detesto admitir, acho que me usou só para ter sexo, e o que dói é que ele não viu nada mais em mim.”

Em “O Privilégio de Ser Mulher“, a Dra. Alice Von Hildebrand diz: “Mulheres são normalmente induzidas à queda não tanto por causa da luxúria, mas por causa de sua promessa de amor eterno, ou por vaidade, ou porque querem desesperadamente ser desejadas ou protegidas. Como é delicioso ouvir ‘você é a única que sempre tocou meu coração’”. Se uma mulher for sexualmente ativa e está convicta de que seu namorado é meigo, pode introduzir no namoro a abstinência até o casamento e averiguar se pode ser meigo enquanto é puro.

2. “Não fazemos isso sempre. Há mais do que sexo em nosso relacionamento”

Uma mulher sexualmente ativa pode pensar que ela e seu namorado tem uma série de interesses em comum além de sexo, que têm um relacionamento balanceado. Essa ideia tira-lhe atenção de que a frequência do sexo pré-nupcial não determina sua moralidade. Intimidade emocional não é justificativa para ter sexo fora do casamento, mas outra razão para guardá-lo para depois do matrimônio. Não se pode negligenciar o fato de que o ato sexual expressa mais do que um namoro; ele expressa a doação integral de uma pessoa à outra – o matrimônio. A intimidade sexual fala a linguagem da permanência.

Alice Von Hildebrand observou que “é exclusivamente o amor que dá ao sexo seu verdadeiro significado”. O amor deve ser temporário ou para sempre? Forçado ou dado livremente? Descompromissado ou fiel? Escondido ou anunciado ao mundo? Pois é, tais características descrevem as promessas de um casamento. O sexo é os votos do matrimônio transformados em carne! (veja aqui as quatro características do amor em Teologia do Corpo).

O sexo antes do matrimônio, em vez de ser livre, é impelida pela luxúria. Ainda que os namorados sejam monogâmicos, eles não fizeram voto de fidelidade. Em vez de ser uma dádiva total, eles não prometeram pertencer um ao outro até que a morte os separe. Além do mais, esse amor não é aberto à vida, pois o casalzinho provavelmente é aterrorizado pela ideia da gravidez. Em outras palavras, ainda que as intenções sejam boas, suas ações expressam exatamente o oposto do amor. A questão não é se um namoro pode requerer mais do que sexo, mas se a intimidade sexual requer mais que um namoro.

3. “Estamos juntos há muito tempo”

Quanto mais uma mulher se doa a um homem, tanto mais se apega a ele. Ela chega a crer que a duração do relacionamento é um testemunho de seu valor. Assim como a duração de um relacionamento não pode medir seu valor, também não pode justificar o ato sexual fora do matrimônio.

O sexo não é um modo de prender um indivíduo, ele afirma “sou sua mulher e estaria feliz em carregar seus filhos por 9 meses”. Mas uma garota que namora não está pronta para dizer isso; o que ela pretende dizer é “amo você e espero que terminemos casados daqui a alguns anos”. No entanto, essa não é a linguagem do sexo. Se o amor exige que você dê tudo de si, fazer amor não deveria ser diferente.

4. “Eu já me entreguei a ele”

O fato de você ter dormido com um rapaz não é motivo para permanecer num relacionamento. Mas essa é a razão por que você acha difícil abandoná-lo. Neurologistas descobriram (ver livro The Neural Correlates of Maternal and Romantic Love, de BARTELS e ZEKI) que vínculos intensos desativam no cérebro os circuitos que deveriam efetuar julgamentos acerca de outras pessoas.

Crystalina: Perdi minha virgindade aos 15 anos. Deixando de lado que o relacionamento parecia impossível, eu não podia suportar o fato de, em um momento, ser tão próxima de uma pessoa e no momento seguinte tornar-me menos importante que seus amigos. Depois de um rompimento que vinha sendo adiado há tempos, o deixei ir embora. Mas imagine se não o tivesse feito. Não estaria hoje casada com Jason e nossos filhos não existiriam. Tenha a coragem de romper um relacionamento inadequado. Se ele não é a pessoa certa, por que dar-lhe mais de seu corpo, seu coração e sua vida?

5. “Minha família realmente gosta dele”

Para testar o quanto seus pais gostam do seu namorado, imagine seu olhar se eles pudessem ver cada ação praticada privadamente, ler cada mensagem e ouvir as conversas. Se lhe vem à mente a imagem de seu pai procurando um taco de beisebol, talvez seus pais gostem só do rapaz que imaginam ser seu namorado. Não se iluda pensando que deve continuar com alguém porque seus pais gostam de um rapaz imaginário.

6. “Nós gostamos verdadeiramente um do outro”

A luxúria ocorre quando o desejo da união sexual se torna mais importante que o desejo de fazer o que é melhor para o outro. O amor, por sua vez, existe quando um casal adia a intimidade física com o intuito de conduzir o outro ao Céu. Karol Wojtyla, antes de ser Papa, observou em seu livro Amor e Responsabilidade: “O amor como experiência deve estar subordinado ao amor como virtude, tanto assim que, sem amor como virtude, não pode haver plenitude na experiência de amor”. Quando um casal está apto a colocar as emoções do amor abaixo da virtude do amor, descobre a mais enriquecedora intimidade.

S. Paulo escreveu aos tessalonicenses: “A vontade de Deus é que sejais santos e vos afasteis da imoralidade sexual. Saiba cada um viver seu matrimônio com santidade e honra, como fizeram os pagãos, que não conhecem a Deus…”. Se duas pessoas declaram amar uma à outra e até então não se interessaram pela salvação eterna uma da outra, como considerar isso amor?

Um amigo brindou sua esposa com uma citação de S João Crisóstomo: “a vida presente não é nada, e meu sonho mais ardente é passá-la com você de tal maneira que possamos estar assegurados de que não estaremos separados na vida futura, reservada a nós no Céu”. A pureza vai além da mera ausência de algo: em vez de permitir que as emoções alimentem seu amor, a fonte dele é o próprio Deus. Qualquer animal pode ter sexo, mas só uma criatura feita à imagem e semelhança de Deus pode expressar amor puro. Seu amor é agradável; mas é paciente? Pode ser divertido; mas está disposto a fazer sacrifícios?

7. “Ele não me pressiona para ter sexo”

Especialmente se a mulher já tiver se envolvido anteriormente em um relacionamento onde o homem era grosseiro e sexualmente sugestivo, ficará pasmada ao encontrar um homem que não a pressiona. Mas talvez não perceba que está namorando o já citado adulador criminoso (ver 10 tipos a serem evitados). Embora ele não a pressione a ter sexo, também não a instiga a ser pura. Quando o sexo se torna a alma de um namoro, escapa ao casal a oportunidade de trabalhar as qualidades de um amor duradouro, como amizade, espiritualidade, tempo para a família, confiança, paciência e pureza.

8. “Ele ficaria devastado se terminássemos”

Se surgem distúrbios emocionais no relacionamento, um dos parceiros se sentirá preso. Essa pessoa continuará ao namoro por piedade; mas esse não é um motivo para mantê-lo. Um homem que não pode sustentar-se sobre os próprios pés não é o que você quer para casar-se. Um homem carente não será um bom marido ou bom pai, mas não é sua tarefa ajudá-lo a superar isso. Se seu relacionamento é doentio e você continua nele, você pode ser a pessoa que acabará devastada.

9. “Ele vai mudar”

Crystalina: Uma mãe disse-me ao fim de uma palestra que gostaria de ter me ouvido 15 anos antes. Ela namorou um homem que tinha uns problemas pessoais, mas sempre esperou que ele mudasse. Dez anos depois, divorciaram-se porque as coisas pioraram. Seus filhos, claro, estavam devastados. A dádiva da ternura materna feminina torna-se perigosa ao se misturar com interesses românticos.

Meninas romantizam frequentemente acerca do amanhã porque não querem focalizar o hoje. Ocupam-se tanto sonhando com o futuro que se esquecem de preparar-se para ele. Consequentemente, seus sonhos não se realizam. Pergunte-se se estaria feliz após 20 anos com seu namorado e com a perspectiva de tê-lo criando seus filhos.

10. “Vamos nos casar de qualquer maneira”

Jason: No colegial, sabia que tinha encontrado minha alma gêmea. Fomos a umas festas juntos e me imaginava com ela para sempre. Hoje está casada com um amigo meu. Na faculdade, conheci uma menina pela qual nunca senti algo tão forte… até que rompemos e ela casou-se com um amigo meu. Então conheci a menina com quem sabia que iria me casar. Namoramos por anos, experimentamos anéis de casamento. Mas rompemos e adivinhem – ela casou-se com um amigo meu. Quero provar com essa ladainha que não se pode julgar o futuro de um relacionamento pela intensidade de suas emoções.

Por jamais ter experimentado emoções como aquelas, confundi encantamento com destino. Ninguém, exceto Deus, conhece o futuro. Portanto, é sábio reservar ao casamento afeições que a ele pertencem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *